CARÊNCIA E INVOLUÇÃO SOCIOECONOMICA DO DISTRITO DE ENGENHEIRO DOLABELA NO MUNICÍPIO DE BOCAIÚVA/MG: CONSEQUÊNCIAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS INADEQUADAS

Káthia Viviane Ramos de Moura
Gilmar Fernandes Lima

O desenvolvimento socioeconômico de uma população ocorre de maneira diretamente proporcional ao processo de expansão do seu território. Ocorre que a falta de planejamento para que tal processo aconteça de forma ordenada e progressiva torna-se responsável pela involução social, econômica e ambiental de determinado local. Atinente tais considerações o presente estudo tem como objetivo discutir o processo de regressão socioeconômica do distrito de Engenheiro Dolabela no município de Bocaiúva Minas Gerais. A metodologia utilizada baseou-se em levantamento bibliográfico e pesquisa de campo. O distrito supramencionado encontra-se a 45 km da sede do município de Bocaiúva-MG. Engenheiro Dolabela abrigou a Usina Malvina cuja as atividades econômicas concentravam-se na produção de açúcar e álcool sendo esse desenvolvimento industrial responsável pelo melhoramento das condições de vida da população local. (LADEIA, 2003p. 84) cita que:
Relatórios da empresa registram preocupações gerenciais quanto à adequação das condições de vida de seus funcionários e em relação às necessidades de trabalho do complexo industrial. A fazenda-cidade passou por várias mudanças, com a construção de casas e alojamentos para os trabalhadores. Foi organizada uma cooperativa para vender aos trabalhadores os produtos de necessidade básica, fazendo com que o consumo de alimentos aumentasse e, conseqüentemente, gerando uma maior disposição para o trabalho. Além disso, houve ainda a construção de uma escola, uma igreja, um cinema e um campo de futebol:
Entre os anos de 1945 e 1968 ocorreram mudanças estruturais na região devido ao apogeu da usina, dentre elas estão a reconstrução da BR 135 que liga o município de Bocaiúva-MG ao município de  Montes Claros-MG, a implantação do sistema de água encanada no município, a construção da torre de transmissão de sinal de televisão e os serviços de captação de águas do Rio Sumidouro, além da criação dos serviços de merenda escolar e da coleta de lixo domiciliar urbano." (PRAIS, 1992:36 apud LADEIA 2003). É importante ressaltar que as terras da usina passaram por diferentes proprietários e conflitos sociais, sendo o Grupo Atalla seus últimos administradores antes do processo de desmanche da indústria que se dá a partir de 1991.  Consoante o autor acima mencionado, o Grupo Atalla gerenciou a usina entre 1974 e 1990, nesta época com a obtenção dos recurso do PROALCOOL, promoveu-se uma nova dinâmica na comunidade, foi construído um hospital, houve reforma e ampliação da rede de esgoto e distribuição de água e investimentos em educação e lazer como melhoria e ampliação da escola e reforma do campo de futebol respectivamente. Diversos fatores econômicos e sociais de caráter interno e externo são responsáveis pela decadência da indústria Malvina que passa a ser sucateada a partir da década de 1990 cujos trabalhadores são intimamente prejudicados em seus direitos legais e o distrito passa a sofrer diversos danos com tal processo. Observa-se que todas as benfeitorias sociais locais estavam associadas ao desenvolvimento e progresso da usina, assim como seu apogeu trouxe expansão das condições socioeconômicas da população sua derrocada atingiu diretamente as condições de vida dos indivíduos que se viram diante de um processo de retração de desenvolvimento. As terras da antiga usina foram objeto de reforma agrária e muitos trabalhadores foram injustiçados. Desta forma entende-se que sendo Engenheiro Dolabella distrito do município de Bocaiúva-MG deveria haver políticas públicas responsáveis que propiciassem o desenvolvimento local e que garantissem as condições dignas de sobrevivência de seus moradores,no entanto,o que existe no distrito são ruínas de edificações do passado. As várias administrações municipais se encarregam de dificultar a sobrevivência de um povo que se alimenta da esperança de ver o distrito a se industrializar. A pavimentação das ruas, a distribuição de água e tratamento de esgoto são aspectos precários do distrito que além da população da sede abriga o Projeto de Assentamento Betinho-PA Betinho – Projeto de Assentamento criado para abrigar 736 famílias. O hospital, ora criado pelo Grupo Atalla, fora sucateado e seus equipamentos removidos pela administração municipal; a população do distrito conta com um PSF – Programa de Saúde da Família para atendimento de sua população sede e do entorno; o atendimento do PSF oferece atendimentos básicos e ocorre somente nos turnos matutino e vespertino segundo dados da Secretaria de Atenção a Saúde/DATASUS. A carência na assistência à saúde é explícita uma vez que o atendimento noturno e casos urgentes estão condicionados a sede do município Bocaiúva que está distante 45 km do distrito, considerando que determinados casos não são solucionados no município e são encaminhados à regional de saúde, Montes Claros-MG que se situa a cerca de 100 km do distrito, a situação torna-se mais grave demonstrando a fragilidade das condições da população. A atividade econômica da localidade, atualmente, baseia-se na agricultura e pecuária, a parcela jovem da população vê-se obrigada a migrar para municípios vizinhos bem como para outros estados do país em busca de oportunidade de trabalho e melhores condições de vida. Mostra-se explícita a necessidade de um planejamento político-administrativo, no âmbito municipal que viabilize o desenvolvimento de Engenheiro Dolabela e demais distritos e povoados. Bocaiúva é um município que se encontra em um significativo processo de expansão urbana que está ocorrendo de maneira desestruturada; e sua área rural não vem sendo assistida adequadamente caracterizando o abandono e a estagnação do meio rural e em casos específicos, como Engenheiro Dolabela, a involução socioeconômica.


 

Trabalho Completo